Destiny's Child

Destiny's Child

A história do Destiny's Child começou em 1990, na cidade de Houston, no Texas quando as cantoras Beyoncé Knowles e LaTravia Roberson aos nove anos de idade, se conheceram enquanto faziam testes. Elas tornaram-se amigas e Mathew Knowles, o pai de Beyoncé, tornou-se o empresário das meninas. Dois anos depois, a dupla chamou a prima de Beyoncé, Kelly Rowland para entrar no grupo. Pouco tempo depois fechavam a formação com a entrada de LeToya Luckett, em 1993. O nome do grupo foi inspirado em um capítulo do livro bíblico "Book of Isaiah". Foram cinco anos até que uma gravadora se interessasse em ...

Clipes

The Writing's On The Wall

Pseudo video

Notícia

Atualizado May 16, 2013
A cantora Kelly Rowland divulgou seu novo ‘single’, “Dirty Laundry”, nesta quarta-feira (15). A faixa, que em português ...

Biografia completa

A história do Destiny's Child começou em 1990, na cidade de Houston, no Texas quando as cantoras Beyoncé Knowles e LaTravia Roberson aos nove anos de idade, se conheceram enquanto faziam testes. Elas tornaram-se amigas e Mathew Knowles, o pai de Beyoncé, tornou-se o empresário das meninas. Dois anos depois, a dupla chamou a prima de Beyoncé, Kelly Rowland para entrar no grupo. Pouco tempo depois fechavam a formação com a entrada de LeToya Luckett, em 1993. O nome do grupo foi inspirado em um capítulo do livro bíblico "Book of Isaiah". Foram cinco anos até que uma gravadora se interessasse em levá-las para o estúdio. A Columbia lançou o primeiro single em 1997, "Killing Time". Em 1998 lançaram o primeiro álbum intitulado "Destiny's Child", com produção de Wyclef Jean e Jermaine Dupri. A música de trabalho foi "No No No", que chegou ao topo das paradas de R&B e fez com que o disco vendesse um milhão de cópias. O sucesso dos singles seguintes, "With Me" e "Get on the Bus", duplicaram a venda do álbum de estréia. O Destiny's Child logo entrou em estúdio novamente para aproveitar a visibilidade lançando em 1999 o segundo álbum "The Writing's on the Wall", que foi parar na sexta colocação das paradas norte-americanas. A música "Bills, Bills, Bills" tornou-se o hit pop número um e o segundo em R&B, além de receber duas indicações ao Grammy. As jovens cantoras trabalharam mais duas músicas do disco, "Bug a Boo" e "Say My Name", mas apenas a segunda virou um hit, só que desta vez foi topo nas paradas R&B e Pop dos Estados Unidos. No auge do sucesso o Destiny's Child começou a enfrentar problemas. LaTravia Roberson e LeToya Luckett estavam insatisfeitas com o empresário Mathew Knowles. Ambas achavam que ele tinha muito controle sobre o grupo e favorecia a filha e sobrinha. A situação piorou quando foi exibido o vídeoclipe da música "Say My Name" com duas substitutas, Michelle Williams e Farrah Franklin. LaTravia e LeToya entraram na justiça contra o empresário e a nova formação. A polêmica fez com que o disco vendesse nove milhões de cópias. Farrah Franklin decidiu deixar o grupo apenas cinco meses depois de ter entrado, em 2000. O Destiny's Child continuou como um trio e lançou naquele ano uma música para trilha sonora do filme "As Panteras". "Independent Woman, Part. 1" que ficou por 11 semanas como número um das paradas musicais. Em 2001, as garotas voltaram para casa com dois Grammy, um de melhor canção de R&B com "Save My Name", e outro de melhor performance de grupo. A situação começou a melhorar, LaTraia e LeToya decidiram poupar as integrantes e retiraram o processo contra elas, que ficou na justiça apenas contra Mathew Knowles. O terceiro álbum da banda, "Survivor", foi lançado em 2001. Nele, Beyoncé aparece como produtora e compositora da maioria das canções. O disco foi o número um da Billboard no começo do ano. Algumas músicas chegaram ao topo das paradas musicais, mas a vendagem ficou por volta de seis milhões de cópias, abaixo do anterior. Ainda em 2001, elas lançaram um álbum especial de Natal, "8 Days of Christmas" e anunciaram que se dedicariam a projetos solos. Michelle Williams lançou o disco solo, "Heart to Yours", mas quem se tornou um fenômeno foi Beyoncé. Ela estreou no cinema ao lado de Mike Myers em "O Homem do Membro de Ouro" e começou assinar somente como Beyoncé. O disco solo da cantora, "Dangerously In Love", lançado em 2003, foi um enorme sucesso no mundo e ela foi a grande vencedora do 46º Grammy. Em 2004, as cantoras divulgaram que voltariam a se unir para lançar outro álbum. O sexto disco da carreira do grupo intitulado "Destiny Fulfilled" teve como singles "Lose My Breath", "Soldier", "Cater 2 U" e "Girl". O disco vendeu mais de sete milhões de cópias pelo mundo. Depois do anúncio do fim do grupo, o Destiny's Child ainda presenteou o público com a coletânea "Destiny's Child's #1's", reunindo além de grandes sucessos da carreira, as inéditas "Stand Up For Love", "Feel The Same Way I Do" e "Check on It", que aparece no disco interpretada apenas por Beyoncé. A faixa foi gravada pela cantora para a trilha sonora do longa "A Pantera Cor-de-Rosa". No total o grupo já vendeu 50 milhões de CD's e singles, e é o "best-selling all-female group of all time" (grupo feminino que mais vendeu em todos os tempos) certificado pelo World Music Awards. Discografia 1998 - Destiny´s Child 1999 - The Writing´s on the Wall 2001 - Survivor 2001 - 8 Days of Christmas 2002 - This is the Remix 2004 - Destiny Fulfilled 2005 - Destiny's Child's #1's